FAÇA PARTE!

Vamos lutar pelo nosso lugar com David Miranda

David Miranda é cria do Jacarezinho, negro, favelado e LGBT. Nunca conheceu seu pai e aos 5 anos ficou órfão de sua mãe. Foi criado por uma tia, dona Eliane, mulher guerreira da favela do Jacarezinho. Com muito trabalho, superou a pobreza. Estudou e se formou em marketing e propaganda.

Em 2013, ao lado de seu marido Glenn Greenwald, revelou o esquema de espionagem mundial dos Estados Unidos descoberto por Edward Snowden. Em 2016, é eleito o primeiro vereador assumidamente LGBT da Câmara do Rio de Janeiro. Seu mandato está entre os melhores da cidade e hoje é referencia na luta dos servidores, dos LGBTs e da negritude.

Agora David quer levar nossos sonhos mais longe e lutar pelo nosso lugar na Câmara Federal.

Quando foi eleito vereador do Rio em 2016, David se comprometeu a construir um mandato coletivo comprometido com as demandas da população. Como ele próprio diz: “a política é uma ferramenta de transformação da nossa realidade”. Tem três projetos de autoria própria aprovados e é coautor de inúmeros outros.

Com muita coragem e responsabilidade, nosso mandato é um dos melhores da cidade do Rio de Janeiro. Provamos que é possível fazer muito em pouco tempo quando se luta ao lado do povo. Conheça nossos três projetos aprovados.

CONHEÇA NOSSAS PROPOSTAS

Parem de matar nossos filhos e filhas nas favelas!
Pelo fim da guerra às drogas nas favelas.
Salário dos servidores tem que ser pago antes dos bancos, empresas e políticos.
Derrubar a Reforma Trabalhista do Temer que dá mais poder para as grandes empresas.
LGBTfobia é crime de ódio.
Nossas famílias existem e precisam ser reconhecidas por lei.
Por uma economia solidária e sustentável, a serviço do bem-viver da maioria da população.
Por investimento em pesquisas para energias renováveis.
Saneamento é um direito e questão de saúde pública.
Recuperar o dinheiro desviado e investir nas áreas sociais.
Acabar com a farra das empreiteiras e dos bancos.
Mais imposto para os ricaços e menos imposto para a população.

Regulamentar e democratizar os meios de comunicação.
Legalização do aborto é urgente. É pela vida das mulheres.
Auditoria da dívida pública.
Defesa do patrimônio nacional, contra as privatizações.
10% do PIB para a Educação.
Valorização dos trabalhadores da educação.
2% do orçamento para a cultura nos estados.
Lutar pelo direito dos animais.
Educação livre e emancipadora: contra o “Escola sem partido”e a reforma do ensino médio.
Contra os megaempreendimentos que causam danos ao ambiente.
Fortalecer o SUS e combater a máfia das OSs.
Combater a máfia da velha política.

DEU NA IMPRENSA